A desvalorização da mulher e da vida humana.

Autoria de Letícia Lopes Damasco

Uma breve reflexão:

O feminismo cego tem instaurado no senso comum concepções a respeito da independência da mulher, da igualdade entre os sexos, dos direitos das mulheres, da vida humana, dentre outros temas afins. Muitas evoluções acontecem nesse campo. A mulher pode trabalhar se assim desejar, não precisa se submeter à violência doméstica, o que é muito bom para a dignidade humana. Mas, em contra partida, outros retrocessos acontecem nesta área que mais desvalorizam a mulher e a vida humana. São idéias que têm se estabelecido, como por exemplo, a insistência em dizer que a mulher de antigamente era vista como objeto de reprodução. De fato, na sociedade patriarcal, a função da mulher era cuidar do lar, dos filhos e principalmente gerá-los.

No entanto, quando se define esta situação da mulher costuma-se dizer que ela era vista como mero objeto de reprodução,como já foi dito. Mas esta definição é baseada claramente no pensamento que se tem hoje em dia, pois se julga a sociedade do passado com base nas concepções do mundo moderno. E será que a mulher era vista assim? Qual o fundamento para hoje se ver a mulher do passado desse jeito?

Ora, quando se vê a capacidade de gerar filhos como uma produção mecânica é porque o fruto dessa “produção mecânica” também é visto como coisa, a saber, o ser humano. É isso mesmo. No mundo contemporâneo, cada vez mais individualista e materialista, a pessoa humana tem sido coisificada, ou seja, vista como uma coisa, um objeto, que pode ser jogado fora a qualquer momento. É esse mesmo pensamento que torna permissível o impedimento da procriação, o uso das pessoas como simples objetos de prazer, e o aborto, que cientificamente e racionalmente é um ato de homicídio contra uma pessoa humana, mesmo que algumas posições filosóficas e subjetivas tentem relativizar, negar isso e até inverter os valores tomando tal atitude como um direito da mulher e esquecendo do direito do ser humano que já foi concebido.

Realmente a principal função da mulher era procriar e criar os filhos, mas isso não a diminuía enquanto pessoa e menos ainda a tornava um objeto, pelo contrário, assim sendo, a mulher era muito mais valorizada do que é hoje. E por que defendo isso?

Ora, Se a vida humana é o que tem de mais valioso e digno nesse mundo, então a capacidade de gerar outra vida é igualmente a função mais importante que alguém pode ter. E é claro que a concepção se dá pelo homem e pela mulher, mas é dentro desta que o novo ser irá se desenvolver e crescer nos seus primeiros meses de vida. Logo, a mulher deve ser privilegiada por ter essa função e não depreciada.

Se antes a reprodução era a suma função das mulheres, é porque se reconhecia o que elas tinham de mais valioso, é o que elas podiam fazer de mais importante: gerar uma vida humana. Assim a vida humana também era mais valorizada. Então se gerar e criar os filhos é muito mais grandioso do que qualquer trabalho profissional, se essa é a melhor contribuição que uma mulher pode dar para a sociedade, por que não ela se dedicar a essa função?

Se a vida humana não estivesse sendo tão desvalorizada como está acontecendo, o gerar vidas também não seria, nem a mulher do passado seria chamada de objeto reprodutor, visto que a reprodução não produz coisas, mas pessoas, a mulher seria vista como um dos seres mais honrados e valorizados por carregar no ventre o que tem de mais belo no mundo: a vida de um ser humano.

As concepções modernas criticam as sociedades antigas por fazerem da mulher um mero “objeto de reprodução”. Mas eu critico essas ideias modernas. E digo ainda que antes se valorizava mais a mulher do que agora, pois valorizavam o que há de mais digno; a capacidade de gerar uma pessoa. A insistência em querer igualar as mulheres aos homens, ao invés de valorizá-las, as diminuem, pois no fundo se quer dizer com isso que só as características e os papéis dos homens que são bons, dignos e superiores. Dar o devido valor a uma mulher não deve ser torná-la um homem, mas exaltar aquilo que é próprio das mulheres e só delas, como por exemplo, a maternidade.

Texto retirado do blog:

Fonte:  Olhos de Coruja

Anúncios

Um comentário sobre “A desvalorização da mulher e da vida humana.

  1. O texto mais lúcido produzido por uma mulher que eu li nos ultimos tempos. Eu como masculinista e defensor dos direitos não só do homem mas também da mulher, mas não esses direitos que as feministas querem inventar tentando igualar a mulher ao homem, mas sim o da valorização da feminilidade como algo complementar à masculinidade, e não rivalidade como querem as feministas, só posso parabenizar a pessoa que escreveu esse texto pela lucidez dos argumentos.

    E sim, eu como homem e masculinista não quero um igual ao meu lado, e sim um complementar, mas sim, penso que a maternidade é o maior valor da mulher e que ele deveria voltar a ser valorizado como era antes, pena que tem poucas mulheres que pensam como a autora do texto, e as que pensam e agem diferente da autora do texto, eu como homem digo que elas tem pouco, se é que tem algum, valor para nós.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s