Castidade e Pudor

Por José María Iraburu

Imagem

      A castidade é uma virtude que, movida pela caridade, orienta ao bem o impulso procriativo humano, tanto em seus aspectos físicos como afetivos. Implica, pois, para o homem em liberdade, domínio e respeito de si mesmo, assim como caridade e respeito para os outros, que não são vistos como objetos, mas como pessoas. Como é uma virtude, a castidade é uma força espiritual na pessoa, uma inclinação boa, uma facilidade para o bem próprio de sua honestidade, e consequentemente uma repugnância em relação à luxúria que lhe é contrária.

E um aspecto da castidade é o pudor. Enquanto a castidade modera o impulso procriativo, o pudor ordena mais propriamente os olhares, os gestos, os vestidos, as conversações, quer dizer, todo um conjunto de circunstâncias que está mais ou menos em relação com aquele impulso sexual.

Por isto diz Santo Tomás que “o pudor se ordena à castidade, mas não como uma virtude distinta dela, mas como uma circunstância especial. De fato, na linguagem comum, se toma indistintamente uma pela outra” (Summ Thlg. II-II, 151,4). Pio XII ensina que o sentido do pudor consiste “na inata e mais ou menos consciente tendência de cada um a defender da indiscriminada concupiscência das demais pessoas um bem físico próprio, a fim de reservá-lo, com prudente seleção de circunstâncias, aos sábios fins do Criador, por Ele mesmo postos sob o escudo da castidade e da modéstia” (Disc. 8-XI-1957: AAS 49, 1957, 1013).

Em outro escrito (O matrimônio em Cristo, 33-38) estudei a psicologia do pudor, a naturalidade do pudor na condição humana pecadora, a conexão do pudor com outras virtudes, etc. Agora, dentro dos múltiplos aspectos do pudor, tratarei principalmente do traje, dos olhares, da nudez.

E por que motivo trato do pudor mais propriamente do que da castidade? Por uma razão muito sensível. A maioria dos possíveis leitores deste escrito têm a consciência bastante clara acerca da castidade. Mas muitos deles – recorde-se o caso concreto que me impulsionou a escrever este livro – não têm sua consciência plenamente evangelizada a respeito do pudor. Pelo contrário, sendo que estão vivendo na Babilônia, ou se se preferir, em Corinto, acabam não se dando conta às vezes das doses de impudor que vão assimilando (assumindo) sem maiores problemas de consciência. E isto, saibam ou não, acreditem ou não, queiram ou não, traz para eles e para outros más consequências.

 
Extraído do livro Elogio do Pudor, José María Iraburu
Fonte: http://gstomasdeaquino.blogspot.com.br/2012/10/castidade-e-pudor.htm
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s