Namoradinhos

Por Carlos Ramalhete

Imagem

Poucas coisas me comovem mais que ver um casal de namoradinhos andando na rua de mãos dadas. O mundo, para eles, não existe: existe o outro, existe o sorriso, a mão, o olhar, as palavras sem sentido denotativo, mas com valor infinito pelo amor que conotam.

A cada geração a mesma mágica se repete; afinal, é dela que vêm as novas gerações. A cada geração, como se fossem o primeiro casal, rapaz e moça arquetípicos se encontram, apaixonam-se, dão-se as mãos e esquecem de todo o resto. Aconteceu com meu bisavô, com meu avô, comigo. Há de acontecer com meus filhos, netos e bisnetos. Faz parte da natureza humana.

E nada, nunca, muda: cada casal se acha o primeiro, vive aquele amor como se fosse o único, como se, dando-se as mãos, voltassem à inocência primeva. Cada casalzinho ficaria chocado ao perceber que não, não são os primeiros. Que não, não é em nada diferente o que ocorre com eles e o que se vislumbra em alguma foto amarelada do avô e da avó.

Para eles, nada há de mais belo que o outro, aquele ser que em si encerra o mundo. Minha avó, sempre ferina, dizia que “mulher não casa com carrapato porque não sabe qual é o macho e qual é a fêmea”. Mas, na verdade, não é só à mulher que o ditado se aplica, mas ao ser humano. Quantos casaizinhos vemos em que aquilo que qualquer outra pessoa qualificaria de feiura transmuta-se alquimicamente na mais pura beleza ao ser filtrado pelos olhos nublados do observador apaixonado?! No amor, o amado é sempre lindo e a amada é sempre divinal.

É uma inserção na eternidade, sempre repetida, sempre nova, que ocorre a cada nova geração. O casalzinho que passa não é apenas novo, nem meramente antigo: é, ao mesmo tempo, ridiculamente jovem – basta ver as espinhas que eles não percebem no rosto do outro! – e pateticamente antigo, como provam os gestos, os balbucios pré-verbais, o fechamento num universo que parece ser anterior à própria Criação. É uma dessas coisas que mostram como o homem, decididamente, é um ser único, com os pés no chão e a cabeça no Céu. Capaz de viver no tempo algo completamente atemporal.

E é nesta repetição, constante ao longo dos séculos, que a natureza humana se reafirma, se apruma e continua. Naquela beleza eterna, fechada ao resto do mundo. Naqueles apelidos ridículos, naquela dependência patética de outra criatura que nos cega à razão, nos diminui e, assim, nos eleva às raias do eterno em que nos insere. Naquele casal de namoradinhos que vai ali, de mãos dadas, atravessando a rua sem olhar. Eles são eternos.

Publicado em Gazeta do Povo

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s