A virtude da castidade

A virtude exige luta

Num artigo já colocado neste site, considerávamos que só pode entender e valorizar a castidade a pessoa que se sabe «chamada ao verdadeiro amor». Não vou repetir aqui o que você talvez já tenha lido lá e pode ler clicando a palavra “castidade” na chamada “nuvem de tags”.

Vamos partir agora da ideia clara , exposta naquele artigo, de que a castidade é uma virtude e que, por isso – como todas as virtudes humanas -, exige de nós esforço e constância. Deve ser forjada na fornalha do amor e da graça de Deus, e deve ser trabalhada com esforço.

[“Quanto à virtude não basta conhecê-la,
devemos também tentar possuí-la e colocá-la em prática.” – Aristóteles]

Se tivermos boa vontade, a nossa razão, iluminada pela fé, irá purificando e dirigindo de modo certo o erotismo meramente emocional e instintivo; e a nossa vontade tomará as rédeas dessa virtude na mão. Isso será possível se, além da ajuda de Deus, conseguirmos o autodomínio mediante a mortificação cristã.

Todos temos consciência de que não estamos vivendo no paraíso; não convivemos com anjos imaculados; pureza e a fidelidade são apreciadas por muito poucos. Quer dizer que, ou rezamos e lutamos, ou seremos engolidos pelo redemoinho da onda dominante.

A onda dominante

É evidente que, na sociedade atual fortemente erotizada, a mortificação e o autodomínio se tornam muito necessários. Por toda a parte – pessoas na rua, outdoors, espetáculos, jornais, revistas, livros, moda feminina, Internet – há uma agressão contínua à castidade, uma estimulação artificial e massiva da fisiologia, da simples genitalidade, sem o menor contexto de grandeza e amor. Sexo pelo sexo. Sexo como consumo e prazer.

Quem é que alimenta esse ambiente materialista? É coisa sabida que a indústria da pornografia fatura mais do que a das drogas; e que danifica corpos e, sobretudo, almas, mais até do que a droga. Perante esse panorama, é preciso reagir, se quisermos respeitar a nossa condição de seres humanos.

“É necessária – dizia há anos São Josemaría Escrivá – uma cruzada de virilidade e pureza que enfrente e anule o trabalho selvagem daqueles que pensam que o homem é uma besta. – E essa cruzada é obra vossa”, dos cristãos .

O papel da mortificação, nesta batalha, é o “não” sereno e corajoso à sensualidade bruta que permite dizer “sim” à beleza, à grandeza e à dignidade do amor: à grandeza, em suma, da alma e do corpo dos filhos de Deus. Por isso, da mesma forma que devo dizer um não rotundo à droga, para dizer sim à vida, tenho que saber dizer o mesmo não a esses estímulos de mero hedonismo, para dizer sim ao amor, à beleza da sexualidade integralmente humana, própria de um filho de Deus, de um homem e uma mulher autênticos.

Ser donos do nosso coração e do nosso corpo

Falamos de autocontrole. Para alcançá-lo é importante, em primeiro lugar, praticar a mortificação da gula, que tão facilmente nos descontrola (no comer, no beber, nos caprichos). Essa mortificação ajuda-nos, bem mais do que imaginamos, a manter o equilíbrio da castidade.

“Tenho para mim – afirmava o abade João Cassiano, no século V – que não poderemos jamais reprimir o aguilhão da carne, se antes não conseguirmos refrear os desejos da gula”.

Ao mesmo tempo, faz-nos falta cuidar delicadamente da mortificação dos olhos, janelas abertas ao mundo e receptores principais da chuva constante de incentivos eróticos que, infelizmente, há por toda a parte. Quem se estima a si mesmo, diz “não”: não estou disposto a olhar tudo pela rua, nem a comprar revistas pornográficas, nem a cair nas redes de programas noturnos da tv, nem a alugar fitas eróticas, nem a pesquisar no lixo sexual da Internet; e diz “não” – insisto – porque está decidido a dizer “SIM” a um ideal de amor muito maior do que o mero prazer carnal que faz o homem descer abaixo do nível dos bichos (que, diga-se de passagem, costumam ser mais “castos” e regrados do que os homens nas suas relações sexuais…).

Conselhos práticos

Queremos outras armas para alcançar esse autodomínio? Vou enumerá-las glosando brevemente palavras de São Josemaría Escrivá:

– “A «valentia» de ser covarde, para fugir das ocasiões”. Na maior parte dos casos, este é o grande segredo, para não ter que repetir, de modo enfadonho, aquela cantiga de que “a carne é fraca, não consigo me segurar”. Fugir das “ocasiões” é evitar os lugares (um apartamento vazio, certas boates, danceterias, etc.),  as situações (um carro estacionado em lugar escuro) e as pessoas que facilmente nos podem arrastar para a simples explosão genital. Pense também em certos reveillons e carnavais comemorados em hotéis ou clubes, em que a promiscuidade de rapazes e moças – envolta num festival de álcool, drogas e música excitante – é convite quase inevitável para cair nos maiores erros e excessos sexuais.

– Depois, “a guarda atenta dos sentidos”. Já falamos da vista; poderíamos recordar a importância de guardar também o ouvido, pequeno bueiro onde são despejadas diariamente mil gracinhas sujas; e o tato, para não cair em familiaridades e manifestações de afeto pegajosas, bastante “suspeitas”, que muita vez equivalem a procurar tolamente migalhas de sensualidade, a pretexto de sermos  amáveis e cordiais; e ainda o controle, importantíssimo, dos chamados “sentidos internos”: a imaginação e a memória.

– Reconheçamos que noventa por cento dos erros sexuais procedem do descontrole destes dois sentidos internos. Deixar a imaginação à solta – alimentada muitas vezes pelas recordações de pecados cometidos, de conversas, de filmes, de leituras, de imagens visuais procuradas – é a mesma coisa que escancarar as janelas da alma a uma série de tentações constantes, que entram na alma como uma revoada de cupins; se isso se repete, pode vir a criar facilmente um transtorno obsessivo-compulsivo, patológico.

Quem é dono da imaginação, tem noventa por cento ganho para ser dono e senhor do seu corpo e dos seus sentimentos.

-Finalmente, nunca devemos esquecer a importância primordial dos meios espirituais, o que exige concretização de propósitos e esforços perseverantes. Concretamente: “A frequência dos sacramentos, de modo particular a Confissão sacramental; a sinceridade plena na direção espiritual pessoal; a dor, a contrição, a reparação depois das faltas, e tudo ungido com uma terna devoção a Nossa Senhora, para que Ela nos obtenha de Deus o dom de uma vida santa e limpa”.

Esse último pensamento – devoção a Nossa Senhora – não é uma simples pincelada piedosa. É sabedoria e experiência milenar dos bons cristãos. Todo aquele que deseja adquirir ou melhorar a virtude da castidade, além de tudo o que acima lembramos, nada melhor pode fazer do que colocar-se, com inteira confiança, nas mãos puríssimas da Virgem Santa. Posso dar aqui, com absoluta veracidade, o testemunho de experiências conhecidas através de longos anos de trabalho sacerdotal. Muitas vezes (não só algumas, mas muitas vezes) tenho visto a alegria com que jovens e menos jovens, que se consideravam incapazes de vencer a batalha da castidade, me diziam: “É impressionante! Segui o conselho que me deu, de invocar Nossa Senhora na hora da tentação – “Mãe puríssima, rogai por mim!”, “Mãe castíssima, rogai por mim!” – e consegui vencer muitas vezes e ficar com uma paz que antes não conhecia”.

“Quando você decide firmemente levar uma vida pura,
a castidade não será um fardo, mas uma coroa de triunfo.”
(S. Josemaría Escrivá)

Por Padre Francisco Faus

Fonte: Site Padre Faus

Adaptacão de trechos do livro de F.Faus: Autodomínio. Elogio da temperança

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s