Você consegue mostrar seu valor através de seus atos e aparência?

Dessa vez não vou citar livros, pesquisas acadêmicas, ou revisões bibliográficas. Meu texto de hoje é sobre uma experiência que venho vivenciando há alguns anos…

Tudo começou na minha fase de adolescência: alterações hormonais gerando oscilações de humor e intensidade nos sentimentos e sensações. Tinha dias que me sentia linda; tinha dias que me sentia horrível. Tudo o que eu vivenciava era muito intenso: se me alegrava, me alegrava muito! Se me entristecia, entristecia muito! Acho que nessa época é importante os pais e irmãos mais velhos conversarem com o adolescente e mostrarem que certo extremismo em vivências e opiniões é algo orgânico, ou seja, influenciado pelas alterações biológicas do período. O fato é que às vezes eu gostava de me arrumar e ser legal com todo mundo, e às vezes meu mau humor era visível por minhas roupas, palavras e atitudes.

Conforme fui amadurecendo e saindo da adolescência – quando percebemos que o mundo não gira ao redor de nosso umbigo – fui me dando conta de que ninguém tinha nada a ver com meu humor.Todos temos problemas, em maior ou menor grau, e lidar com as pessoas de forma grosseira só torna o dia delas pior.

Comecei com pouco: tentar ser gentil. O que custa, mesmo se não estamos bem, dar um sorriso? Oferecer ajuda? Ceder o lugar no ônibus? Agradecer olhando nos olhos? É um esforço grande ser legal quando nós não estamos bem, e pode ser que não consigamos fazer isso o dia todo, mas percebi que esse esforço melhorava meu dia.

Depois resolvi lapidar minha aparência. Se na adolescência quando eu estava bem, me vestia com maior cuidado, e quando estava mal, colocava qualquer roupa, nessa nova etapa tentei fazer algo diferente: sempre tentar me vestir bem. Não falo de usar roupas caras ou “de sair” a todo momento. Falo de colocar uma roupa limpa, passada, um brinco simples, um batom, cabelo penteado, aparência asseada. Percebi que isso transformava o modo como as pessoas me tratavam… Elas pareciam mais gentis comigo!

Resolvi usar mais saias e vestidos delicados, maquiagem leve, perfume suave, sapato bem cuidado. Eu saía de casa, mesmo que fosse para dar uma passada na padaria, e percebia que era tratada de uma maneira diferente de quando eu me vestia com camiseta e chinelo. Aparência bem cuidada exigia, também, uma postura mais digna. Decidi ler algo de etiqueta, e ser mais gentil, o máximo que eu conseguisse.

Comecei a tentar tratar as pessoas com o carinho e cuidado que eu gostaria de ser tratada.

No lar, melhorei minhas roupas. Nada de parecer uma mendiga. Se na universidade, trabalho e saída com amigos eu coloco roupas bonitas, por que, para minha própria família, vou usar qualquer trapo? Certa vez uma palestrante disse que o modo como nos vestimos mostra às pessoas como nos importamos com elas. Minha família merece carinho através de minha aparência!

Esta pequena história pessoal ilustra conselhos que ouvi uma vez: quando estamos vestidos com asseio e somos educados, as pessoas tendem a nos tratar com cuidado e gentileza. Isso porque passamos a mensagem de que nos valorizamos, e de que também valorizamos e nos importamos com os demais. Se eu mesma me valorizo, mostro que tenho dignidade, e este é o primeiro passo para o outro também enxergar meu valor.  

Devo dizer que desde que comecei essa experiência as coisas mudaram muito. É claro que não conseguimos ser legais sempre, e que há dias muito difíceis. É evidente, também, que muitas vezes as pessoas nos tratam com desprezo mesmo quando as tratamos bem. Não importa! Receber grosserias também faz parte de nosso crescimento. O propósito está feito. Você consegue mostrar seu valor através de seus atos e aparência?

Por Letícia M Barbano

Fonte: http://www.semprefamilia.com.br/ Continuar lendo “Você consegue mostrar seu valor através de seus atos e aparência?”

Carência afetiva feminina… Como lidar com isso?

Nossa afetividade é parte integrante de nossa sexualidade. A sexualidade engloba mais que o ato sexual. É uma dimensão da nossa condição humana manifestada em nosso sexo (feminino) e expressa desde nossa forma anatômica até na visão que temos do mundo. A carência afetiva se manifesta em nós, mulheres, como um desequilíbrio na dimensão afetiva de nossa sexualidade, isto é, em uma dificuldade de nos … Continuar lendo Carência afetiva feminina… Como lidar com isso?

Mães rebeldes: manifesto para um novo feminismo

Por Diego Contreras Essa é a proposta que a norueguesa Janne Haaland Matlary faz no seu livro Il Tempo della Fioritura. Sul un nuovo femminismo (Mondadori, Milão, 1999). Para lançar um raciocínio aparentemente tão simples, é preciso ter um currículo acima de qualquer suspeita. Do contrário, não faltarão pessoas para dizer que, no fundo, o que se quer é voltar a prender a mulher na cozinha. Janne … Continuar lendo Mães rebeldes: manifesto para um novo feminismo

A dignidade e a valorização da mulher

  Por Maria da Ascenção Ferreira Apolônia Em janeiro [de 2003] entrou em vigor no Brasil o novo código de Direito Civil, que busca fortalecer a participação da família: pai e mãe na responsabilidade conjunta de educar os filhos, quando a unidade garantida pelo casamento se desfez. Neste momento, em que a sociedade brasileira é convidada a refletir sobre os avanços ou retrocessos do novo … Continuar lendo A dignidade e a valorização da mulher

Gambás e alcatras

De Carlos Ramalhete  Gambá é um bicho que é muito atropelado. Não é difícil entender o porquê, quando se os vê atravessando a estrada, rebolando e jogando aquele rabão feio e pelado de um lado para o outro. Carcaça de gambá atropelado é uma dessas coisas que só urubu pode achar apetitoso, mas que são frequentes o suficiente para que quem viaja muito sempre as … Continuar lendo Gambás e alcatras

6 DICAS DE OURO PARA AS MULHERES

1. Vista-se de acordo com a sua dignidade como mulher e como ser humano. Não ande por aí passando a mensagem de que o seu corpo é sua melhor – ou a única – parte. Se o que chama atenção em você é o que salta do decote, suas pernas à mostra e os quadris em destaque, isso certamente ofusca sua inteligência, seu coração, sua … Continuar lendo 6 DICAS DE OURO PARA AS MULHERES