A virtude da castidade

A virtude exige luta

Num artigo já colocado neste site, considerávamos que só pode entender e valorizar a castidade a pessoa que se sabe «chamada ao verdadeiro amor». Não vou repetir aqui o que você talvez já tenha lido lá e pode ler clicando a palavra “castidade” na chamada “nuvem de tags”.

Vamos partir agora da ideia clara , exposta naquele artigo, de que a castidade é uma virtude e que, por isso – como todas as virtudes humanas -, exige de nós esforço e constância. Deve ser forjada na fornalha do amor e da graça de Deus, e deve ser trabalhada com esforço.

[“Quanto à virtude não basta conhecê-la,
devemos também tentar possuí-la e colocá-la em prática.” – Aristóteles]

Se tivermos boa vontade, a nossa razão, iluminada pela fé, irá purificando e dirigindo de modo certo o erotismo meramente emocional e instintivo; e a nossa vontade tomará as rédeas dessa virtude na mão. Isso será possível se, além da ajuda de Deus, conseguirmos o autodomínio mediante a mortificação cristã.

Todos temos consciência de que não estamos vivendo no paraíso; não convivemos com anjos imaculados; pureza e a fidelidade são apreciadas por muito poucos. Quer dizer que, ou rezamos e lutamos, ou seremos engolidos pelo redemoinho da onda dominante.

A onda dominante

É evidente que, na sociedade atual fortemente erotizada, a mortificação e o autodomínio se tornam muito necessários. Por toda a parte – pessoas na rua, outdoors, espetáculos, jornais, revistas, livros, moda feminina, Internet – há uma agressão contínua à castidade, uma estimulação artificial e massiva da fisiologia, da simples genitalidade, sem o menor contexto de grandeza e amor. Sexo pelo sexo. Sexo como consumo e prazer.

Quem é que alimenta esse ambiente materialista? É coisa sabida que a indústria da pornografia fatura mais do que a das drogas; e que danifica corpos e, sobretudo, almas, mais até do que a droga. Perante esse panorama, é preciso reagir, se quisermos respeitar a nossa condição de seres humanos.

“É necessária – dizia há anos São Josemaría Escrivá – uma cruzada de virilidade e pureza que enfrente e anule o trabalho selvagem daqueles que pensam que o homem é uma besta. – E essa cruzada é obra vossa”, dos cristãos .

O papel da mortificação, nesta batalha, é o “não” sereno e corajoso à sensualidade bruta que permite dizer “sim” à beleza, à grandeza e à dignidade do amor: à grandeza, em suma, da alma e do corpo dos filhos de Deus. Por isso, da mesma forma que devo dizer um não rotundo à droga, para dizer sim à vida, tenho que saber dizer o mesmo não a esses estímulos de mero hedonismo, para dizer sim ao amor, à beleza da sexualidade integralmente humana, própria de um filho de Deus, de um homem e uma mulher autênticos.

Ser donos do nosso coração e do nosso corpo

Falamos de autocontrole. Para alcançá-lo é importante, em primeiro lugar, praticar a mortificação da gula, que tão facilmente nos descontrola (no comer, no beber, nos caprichos). Essa mortificação ajuda-nos, bem mais do que imaginamos, a manter o equilíbrio da castidade.

“Tenho para mim – afirmava o abade João Cassiano, no século V – que não poderemos jamais reprimir o aguilhão da carne, se antes não conseguirmos refrear os desejos da gula”.

Ao mesmo tempo, faz-nos falta cuidar delicadamente da mortificação dos olhos, janelas abertas ao mundo e receptores principais da chuva constante de incentivos eróticos que, infelizmente, há por toda a parte. Quem se estima a si mesmo, diz “não”: não estou disposto a olhar tudo pela rua, nem a comprar revistas pornográficas, nem a cair nas redes de programas noturnos da tv, nem a alugar fitas eróticas, nem a pesquisar no lixo sexual da Internet; e diz “não” – insisto – porque está decidido a dizer “SIM” a um ideal de amor muito maior do que o mero prazer carnal que faz o homem descer abaixo do nível dos bichos (que, diga-se de passagem, costumam ser mais “castos” e regrados do que os homens nas suas relações sexuais…). Continuar lendo “A virtude da castidade”

10 hábitos que nos tornam menos atraentes

Existem alguns hábitos que as pessoas adotam acreditando que eles as tornarão mais interessantes, quando na realidade as tornam menos atraentes. O curioso é que muitas pessoas que tentam parecer mais atraentes se esquecem de algumas questões importantes, e o “tiro acaba saindo pela culatra”. Acesse e veja se você se encaixa nesse perfil. Continuar lendo 10 hábitos que nos tornam menos atraentes